Quando as pessoas se preocuparem menos em categorizar o amor em diferentes tipos de certo e errado, e de etiquetarem sentimentos, para olhar mais atentamente para seus próprios demônios e frustrações, talvez comecemos a ter um “mundo melhor”, porque estaremos mais interessados em ver o justo e o bom em comum e menos o diferente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s